Muito se ouve falar sobre o colágeno, sua perda ao longo dos anos e tratamentos que podem estimular sua produção. Mas afinal, o que é o colágeno? Como acontece a sua produção natural no corpo humano? Quais são os tratamentos existentes e eficazes que estimulam a sua produção?

O colágeno, proteína fibrosa de origem animal, tem um papel estrutural muito importante em alguns tecidos, sendo responsável pela integridade de cartilagens, vasos sanguíneos, cicatrização e regeneração da pele e hidratação do corpo.

A produção do colágeno no corpo acontece por meio de um processo que condensa intracelularmente pequenas porções de diferentes tipos de células, e é formada pelos aminoácidos glicina, prolina, hidroxiprolina e hidroxilisina.

Durante o processo digestivo, o colágeno é transformado em aminoácidos, que são usados na síntese de proteínas para todo o organismo, não necessariamente para formar colágeno presente na pele.

Benefícios do colágeno

O colágeno tem entre seus benefícios:

  • capacidade de melhorar a elasticidade e firmeza da pele;
  • prevenção de doenças como osteoporose, hipertensão e úlcera gástrica;
  • prevenção do aparecimento da celulite;
  • fortalecimento das unhas;
  • fortalecimento dos cabelos e melhora do seu aspecto.

Queda da produção de colágeno no corpo

A produção natural do colágeno no corpo cai 1% ao ano a partir dos 30 anos. Ao chegar nessa idade, o organismo deixa de produzir as fibras de colágeno e elastina como costumava fabricar, o que faz com que a renovação celular passe a ser irregular e a pele perca hidratação.

Outro período de grande perda de colágeno para as mulheres é no primeiro ano após a menopausa, o que também impacta na fragilidade dos ossos e das articulações.

Como se prevenir da perda de colágeno e onde obtê-lo

É possível evitar a perda do colágeno se protegendo do sol, consumindo antioxidantes orais e tópicos, comendo frutas vermelhas, pepino, peixes, linhaça e bebendo suco de uva integral e vinho. Dieta balanceada, hidratação constante da pele e prática de atividades físicas também são ótimas formas de prevenção. A Vitamina C, que pode ser consumida via oral ou por uso tópico, também auxilia na perda do colágeno.

O colágeno para a produção dos produtos cosméticos é obtido de várias espécies de animais, e no Brasil advém principalmente de subprodutos da indústria da carne, como cartilagens, ligamentos e camadas internas do couro bovino. O colágeno hidrolisado, o parcialmente hidrolisado (gelatina) e a fibra do colágeno são obtidas do colágeno nativo.

Consumo de colágeno hidrolisado

Outra maneira de evitar o envelhecimento é por meio da ingestão de suplemento alimentar do colágeno hidrolisado. O produto é vendido em pó e pode ser misturado na água para ser consumido.

Estudos sobre esse tipo de suplementação revelam que cerca de 90% desses aminoácidos ingeridos são absorvidos pelo corpo em seis horas. As moléculas recém ingeridas promovem a síntese e reorganização de fibras novas de colágeno, proporcionando uma melhora da firmeza e da elasticidade da pele, e o metabolismo da cartilagem.

O Ministério da Saúde e o FDA (Food and Drug Administration), órgão responsável por regulamentar alimentos e bebidas nos EUA, já reconhecem o colágeno hidrolisado como um ingrediente alimentício.

Tratamentos estéticos

Quando a perda de colágeno já está acontecendo, é possível estacionar esse processo por meio de tratamentos dermatológicos, como laser e radiofrequência, que conseguem estimular a produção de um colágeno novo no corpo, além de reestruturarem as fibras de sustentação que já existem.

A combinação desses tratamentos apresenta resultados já na primeira aplicação. Esse procedimento gera uma leve queimadura na região em que é aplicado para que durante o processo de cicatrização estimule a produção de colágeno, por isso é importante evitar o Sol e reaplicar o protetor solar de 2 em 2 horas durante o tratamento. O número de sessões é determinado pelo dermatologista, de acordo com a necessidade de cada paciente. O intervalo entre as sessões pode variar entre 1 e 3 meses.

Outros tratamentos também bastante recomendados são os preenchedores. Existem os que têm textura de gel e são produzidos por microesferas de hidroxiapatita de cálcio, e outros que são elaborados a partir do ácido Poli-L-Lático. Independente da matéria-prima, esses dois preenchedores estimulam a produção de colágeno pelo organismo.

A diferença entre os procedimentos implica na região em que podem ser aplicados. Os produzidos por microesferas de hidroxiapatita de cálcio podem ser utilizados em áreas como bochechas, mandíbula, queixo, têmporas e mãos. Já os elaborados a partir do ácido Poli-L-Lático são recomendados para tratamentos de celulite, flacidez facial, de membros superiores e inferiores, axilas, glúteos, abdominal, pescoço e colo.

Preenchedores feitos de microesferas de hidroxiapatita de cálcio são aplicados por injeções e apresentam resultados 6 semanas após a primeira sessão de forma gradual, pois até 18 meses depois do procedimento o organismo continua produzindo colágeno por conta do tratamento. Os produzidos de ácido Poli-L-Lático são injetados por meio de agulha ou cânula e em 45 dias depois da sessão inicial os resultados são percebidos.

Dra. Carolina Ferolla
Dermatologista CRM-SP 91139
RQE Dermatologista: 25722