Transtorno é reação do sistema imunológico ao consumo de glúten, proteína presente no centeio, trigo e aveia

Diarreia por mais de 30 dias, dores abdominais e vômitos podem ser indicadores da doença celíaca, causada por uma reação do sistema imunológico ao consumo de glúten, proteína presente no centeio, trigo, aveia, cevada e malte.

Normalmente, o transtorno surge entre o primeiro e terceiro ano de vida, mas pode se manifestar em outras idades.

A ingestão de glúten causa inflamação do intestino delgado do celíaco, podendo resultar em má absorção de nutrientes após a digestão e, como consequência, levar à desnutrição com déficit do crescimento, anemia, falta de apetite, alterações na pele, queda de pelos e até a infertilidade, entre outros sintomas.

A doença celíaca é diagnosticada por meio de exames de sangue em conjunto com a endoscopia com biópsia de uma fração de tecido do intestino delgado. Ainda não existe cura para o celíaco e o principal tratamento é feito com uma dieta rigorosa e saudável, eliminando o consumo de alimentos que contenham glúten e seus derivados, como massas, biscoitos e pães, iogurtes contendo aveia e achocolatados que tenham malte, além de empanados, cervejas e whisky – inserindo no lugar frutas, verduras, legumes e carnes.

Se não tratado, o transtorno pode evoluir para um câncer de intestino e a morte. O celíaco possui intolerância permanente ao glúten, não podendo consumi-lo por menor que seja a quantidade.

Fontes:
Acelbra (Associação dos Celíacos do Brasil).
Fenacelbra (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil).