Pele negra – Queixas de pacientes costumam ser de queda de cabelo e excesso de oleosidade e manchas na pele

Quando o assunto é o cuidado da pele negra, é preciso ter em mente que, apesar de conter mais melanina e produzir mais células de colágeno do que os demais tipos de pele, a prevenção deve ser a mesma. Cada etnia necessita de cuidados e tratamentos específicos e, no caso da pele negra, não poderia ser diferente.

Do ponto de vista dermatológico, pacientes com este tipo de pele geralmente se queixam de excesso de oleosidade, o que aumenta o aparecimento de cravos e espinhas; manchas que ficam após uma inflamação; melasmas (manchas na face) e muita queda de cabelo, principalmente na parte da frente.

Os tratamentos mais indicados para ajudar os pacientes de pele negra a reduzir essas queixas e também para o rejuvenescimento são:

Microagulhamento: induz a formação de colágeno e diminui a oleosidade;

Radiofrequência: atinge as camadas mais profundas da pele, dando contorno e sustentação;

– Peeling renovador de célula: diminui a espessura da pele e a oleosidade e reduz os pelos encravados;

– Laser para remoção de pelos: pode ser utilizado com cautela, sendo o comprimento de onda 1064nm o mais seguro para este tipo de pele, pois absorve menos o pigmento melânico superficial cutâneo;

– Ultrassom microfocado: diminui a flacidez e melhora o contorno da face e pescoço, atuando nas camadas mais profundas da pele. Também muito utilizado para partes corporais;

Mesoterapia capilar: auxilia em casos de quedas de cabelo mais graves. Uma avaliação dermatológica prévia detecta o tipo de queda de cabelo e direciona para um tratamento específico.

Os tratamentos devem sempre ser realizados sob orientação de um especialista. Procedimentos inadequados para este tipo de pele podem causar queloides e alterações na cor da pele, levando cerca de seis meses para recuperar ou até mesmo sendo permanente.

Por ter a pele mais firme do que as pessoas de pele branca, normalmente o negro envelhece um pouco mais tarde, o que irá depender do estilo de vida que leva. É importante limpar a pele todos os dias; usar protetor solar e produtos adequados para essa pele como, por exemplo, hidratantes, antioxidantes e clareadores de manchas; evitar o sol excessivo e o tabagismo, além de buscar informações com um dermatologista que entenda de pele  nlucianaegra. Seguindo estas recomendações, possivelmente os tratamentos rejuvenescedores mais  agressivos somente serão necessários por volta dos 40 anos.

 Dra. Luciana Maluf – Ferolla Médicos Associados.
 CRM: 113.699.