Proteína é produzida naturalmente pelo corpo humano e também dá sustentação às unhas e cabelo

Quando o assunto é manter a pele mais firme e com aparência de nova, muitas dicas e procedimentos surgem à tona, como é o caso da aplicação de colágeno para a pele. Mas, afinal, como esta proteína pode ajudar no rejuvenescimento?

O colágeno é uma proteína produzida naturalmente pelo corpo humano que, juntamente com as fibras elásticas, fornece sustentação à pele, unhas e cabelo, dentre outros. Contudo, com o passar do tempo, o corpo diminui esta produção e, a partir dos 30 anos, já não produz colágeno naturalmente.

Estudos apontam que após os 30 o corpo perde cerca de 1% de colágeno ao ano. Neste momento, inicia-se um processo de redução constante, que poderá ser mais lento ou não, dependendo do estilo de vida de cada pessoa. A exposição ao sol, principal vilão da diminuição da proteína no organismo, fumo, estresse e poluição colabora com a perda de colágeno, além de fatores genéticos.

Portanto, um ponto determinante entre os 20 e 30 anos é a prevenção, principalmente fazendo uso diário do protetor solar, hábito que favorece uma redução vagarosa do colágeno e, consequentemente, uma flacidez mais tardia da pele. Outra possibilidade nesta faixa etária é a utilização de antioxidantes tópicos, como a vitamina C e a vitamina E, que ajudam a proteger a degradação do colágeno.

Após os 30, a prevenção pode ser intensificada com o uso de ácido retinoico e outros produtos tópicos derivados da vitamina A. Geralmente os pacientes começam a perceber os primeiros sinais de flacidez depois dos 35 anos, quando o tratamento pode ser complementado com procedimentos mais leves, como a radiofrequência.

A técnica, que pode ser feita em todos os tipos de pele, estimula a formação de colágeno por meio do aquecimento e não precisa ser realizada todo ano. É possível manter intervalos de dois a três anos.

Os pacientes se queixam mais da flacidez após os 40, principalmente os que não se cuidaram direito ao longo dos anos. Nestes casos, eles já podem realizar sessões com o laser CO2 fracionado ablativo, que gera micro lesões na pele e, como consequência, a estimulação de colágeno por meio da cicatrização. Esta técnica não é indicada para peles negras e morenas, pois pode deixar manchas.

A partir dos 50 anos, algumas pessoas já perderam muito colágeno e até mesmo o tecido gorduroso da pele. Nestes estágios mais avançados, utilizam-se substâncias bio estimulantes que, ao serem injetadas debaixo da pele, auxiliam na produção de colágeno e melhoram a firmeza. O procedimento pode ser feito em todos os tipos de pele, mas é imprescindível que seja realizado por um médico.

Prevenir é a melhor forma de amenizar a redução de colágeno e o envelhecimento precoce da pele. O protetor solar é renatoum aliado em todos os momentos da vida.

 Dr. Renato Lima – Ferolla Médicos Associados.
 CRM: 129410